sábado, 14 de maio de 2011

Êxtase

Quero sentir-me dentro de ti
Apertar-te nas minhas coxas
Esfarrapar-te como louca,
Gritar-te de prazer…
Morder-te como quem lambe,
Ferida de cão em sangue…
" vem-te... meu amor”
Eu sou cama que se ajeita,
Na tua erecção perfeita…
Quero dar-te infinitos de prazer…

Nos orgasmos…
Como espasmos de louvor,
De loucura incondicional
De quem sabe por
Excelência,
Agarrar a alma e verter-se
Em prazer sem igual,

De gemer, como quem canta
No leito,enleado de encantos,
Encharcado,
De orgasmos e prantos…
De viver… não só por viver.

Vem-te… agora em mim!
Dá-me o que tens de melhor,
Neste momento de êxtase…
Sinto o fim!
Que, de novo volta a acontecer,
Neste meu querer, por querer,

Sou depósito que guardo,
O teu sémen, como sagrado,
No meu leito,
De prazer acumulado…
Meu apogeu,
Sem resguardo,

Depois, de tanto te sentir,
O meu corpo estremece ainda,
Num calor que não esmorece,
De voltar a ter-te em mim…
E novamente iniciar…
Uma dança de amor sem fim,

Levando-te de novo ao além…
Neste meu jeito de ninguém,
De ter-te dentro do mim…
E fazer-te sentir também,
Que amar é fazer no momento,
Morrer-te e nascer-te por dentro,
Sem querer, perder ou ganhar…
A volúpia de um sonho…
Sem se sonhar!

2 comentários: