segunda-feira, 30 de abril de 2012

Sou-te


Sou o silêncio estrelado,
no manto azul da noite
Sou lua que te contempla,
descalça a sorrir…
Sou água que no seu leito,
folheia poesias de amor
Sou silêncio imortalizado…
Vestido de veludo…
Em madrugadas de olhares mudos…
Sou melodia,
que voa nas asas alvas da saudade…
Sou quem abriga o mais belo e profundo…!
Sou a Verdade..!
Sou a tua dor…!
O teu grito…!
O teu Mundo…!
Sou-te tudo…!
Meu amor…!

domingo, 15 de abril de 2012

Fui eu!



Velozmente, tudo se transmutou
E se revestiu de um só som
O som do silêncio!

Fui eu,
Quem te pintou …
Quem te descobriu…
Quem te amou…

Fui eu…que nasci pra morrer em ti
Pintura perfeita que representas para mim!

Procuro-te, mas não te vejo…A tela desbotou orvalhada de desejo…
Transformou-se em vento…
Vento,
Que abraço no momento em que pondero existir…


Agonizo de dor… [Meu Deus] …
Dor, que grita nas masmorras…Da punição,
Amar-te assim é crime, pra ser cumprido.

Vou desenhando no ar, palavras que não consigo reproduzir

[Meu Amor, Sou Tua, Para Sempre… Tua!
Ainda que o Mundo se engula a si Mesmo.]

terça-feira, 10 de abril de 2012

Sem Ti


Sem ti…

A saudade, é ermo, é brado
É sopro de vento,
Que geme…
Num frenesim mendigado

Sem ti…

O céu é distante…É vão…
E, as horas são o bastante…
Onde o desejo, é pecado…E, perdão

Sem ti…

Há um convento de nostalgia…
Onde os sonhos
Apenas se cruzam
Na clausura, da fantasia…

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Livro

 


Sou livro inacabado…
Rasurado, perfilhado…
Livro que tudo contém…
Páginas de mim…
De ti…De tudo.. E, de ninguém…
Desamarro segredos banais,
Verdades casuais…
Injustiças diabólicas…
Alegrias celestiais…
Em cada linha que escrevo.
Dobro-o em rituais chorados
Em linhas, desenhadas por fados
Que a vida me vai cantando.
E, em prosa, ou poesia…
Em desilusões…Ou alegrias…
Escrevo, o meu livro em memórias
Que adormeceram… Amarelecidas nos bancos,
De tantas...Páginas em branco…
Hoje, de joelhos curvo-me,
Sobre o meu livro Sagrado,
Escrevendo com fidelidade,
O livro, há séculos programado…
Nos céus, na terra,
Nas margens, de um rio transbordante,
Nas ondas, de uma mar ondulante...
Em palavras que leio, numa edição limitada...
Mas, Exuberante!