quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Não, não digas adeus.



Não, não digas adeus
Ainda que acenes com a alma em delírio
Pára.
Detém-te
Onde os rios se misturam em alucinação
Em margens revoltas e ofendidas

Não, não digas adeus
Essa palavra é espada que atravessa todos os horizontes
Onde se rasgam os Céus e, se dilaceram feridas
Chora onde secam as rosas
E mora onde a palavra é entendida

Não, não digas adeus
Canta aos deuses a divina graça dos Sóis
Sorri de pranto, de encanto, mas sorri
E, ao atravessares a porta do teu sangue
Permite-te vencer como vencem os heróis
Em colossal medida!

Mas, não digas adeus….Aos teus medos e aos meus.
Não, não digas adeus… A tanta vida com vida.


terça-feira, 18 de junho de 2013

..Só Tu e Eu…



Quando em mim te percorres
Docemente penetrante
Ausenta-se-me o chão debaixo dos pés
Em inesperado instantes

E
O Céu declara-se-me
Nessa pele de veludo, trigueira
Selvagem,
Numa coragem voraz que me consome inteira

Os teus braços, meu amor
Quando em mim se enleiam
Esses braços que foram talhados
Para me endoidecer
Apressam-me a natureza, de em ti me perder

E
Prontamente a minha carne se desnuda
Em verdes desejos
Amadurecendo velozmente
Ao doce prazer na boca que beijo.

MelAlmeida

sábado, 18 de maio de 2013

UM OLHAR

Cedo-me
Com a consciência de um anjo
Nas tuas mãos abandono o meu ser
E nelas vivo
Todos as razões de viver
Visito o céu
Abraço as nuvens
E bebo a luz do sol
Antes dele nascer
Toco nas estrelas que há nos teus olhos
Olhos, que não adormecem
E ao cerrar os meus
Cantam-me poemas que não sei escrever
Porque,
Só os deuses os ditam
Só os deuses os sabem cantar
Nos momentos
Em que a eternidade
É insuficiente para te olhar

18/4/2013


MelAlmeida

sábado, 11 de maio de 2013

NA TUA PELE



A pele

Em arrepios

Os poros num desvario

Corpos colados

Numa serena inquietude

Como pássaros que cantam

Aleluias nas altitudes

E

O silêncio falando

Falando

Na pele calada

Que a sussurrar vai ditando

Os desejos em escalada

E

Dormitando na pele

Nua

Que nos veste de amor

Embriagados

Num profundo e puro

Num amar firme e seguro

Onde os olhos se beijam

Em lábios colados

11/4/2013

MelAlmeida

domingo, 21 de abril de 2013

INTEIRAMENTE


Abandono-me em ti
Como se fosses o infinito
Absoluto e disponível
E
Solto os nós das amarras
Em arrepios e garras
Embriagada pela fragrância
Dos sentidos

Nesse abandono
Sinto o mundo nas mãos
E faço dele
O nosso estar
Sem qualquer explicação

Ainda que longas
Sejam as horas
Todas…
São como estrelas cadentes
Fugazes e incandescentes

Abandono-me em ti
Como se tivesse a certeza
Que os dias anoitecem
Eternamente
No ombro das manhãs acesas

MelAlmeida

21/ 4/2013

quarta-feira, 10 de abril de 2013

MOMENTOS





És como uma dor
Que se vomita
Em voz rouca
E se redige
Em poesia
Num amargo
De boca


Apenas choram
Nas mãos
De quem as guarda
Numa exactidão
Ausente

Porque
Nada é mais tristonho
Do que não saber
Dar cor à vida, ainda que em sonho

Vida,
Que não se canta
Nem dança
Onde
Apenas fica o grito
Como sufoco
Perdido na garganta

MelAlmeida

Foto de: Jó Almeida

segunda-feira, 4 de março de 2013

VISTO-ME DE TI



Visto-me de ti
Na pele que me se entrega
Nua…
À minha boca
Num rigor insinuante
E nessa veste bendita,
Desmontam-se ruínas,
E nascem obras eruditas

Visto-me de ti
No odor da onça que domina o viço
Que me aglutina e conforta
E sem me dar conta
O dia cessa…
E a noite, essa, não tem portas.

Visto-me de ti…
Em gestos vivos e lentos
Como quem escreve versos,
Na fogueira do tempo
E, nessa doce claridade…
Nascem astros, que cantam no firmamento.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

SÓ.


EXISTEM


CORPO DE PRAZER


MEDITAR


SONHOS


AMANHECER


[...]


PERTO DO CÉU


ALMA SILENTE


MULHER


EM MIM


SEI P´RA ONDE VOU


BREVE SUMÁRIO


ONTEM


NAS MINHAS MÃOS


MEU AMOR


ATÉ POR DEUS!


terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

DESENHO APAGADO

Cansaste-me em palavras cruas,
Que me ardiam desnudadas

Onde desenhaste em gestos de loucura,
Pungentes melodias, mascaradas.

Em actos,
Que me eram partos, sem tempo, nem espaço

Queimando na escuridão, a luz dos meus dias 
Num frio que arrepia, as noites sem nome.

Na minha boca, nasciam-me impérios de pedidos
Folheados em agudos silêncios…Nunca ouvidos.

Agora, apaguei todos os sinais que fui tatuando,
Numa inquietude invertida,

Onde me repousa a mente, protegida.
No cansaço, que em mim descansa.

E me incendeia numa verdadeira paixão,
Em taça de beijos…Na boca da exactidão.

MelAlmeida

domingo, 27 de janeiro de 2013

JORNADA



Nas palavras que me cantam sibiladas
Onde te revejo…
Com a sagaz coragem,
Que pernoita
Em fortaleza embriagada nas noites,
Onde repousam as nossas madrugadas.

E
No meu devaneio
Voam-me imagens em carruagem silenciosa
Onde me passeio
E o som,
É uma paisagem acesa,
Que me cerca, sem paragens na incerteza


Mas ao ver-te,
Já não é o tempo que em mim viaja
Sou eu, quem viaja sem tempo…
 Nos braços que me abraçam,
Como carril oleado de desejo,
Onde não existe desalento
Pousando a paisagem…
Em abraços, e num beijo, lento.

MelAlmeida

domingo, 20 de janeiro de 2013

HINO À VIDA




Trago no olhar a claridade de todos os astros…
Na boca, o sorriso das manhãs enfeitiçadas
Onde desenho a pastel oceanos e sereias
 Em gotas de luz ardentes, por mim criadas,
nas areias do meu mar.

No cabelo, solto a escuridão das noites orvalhadas…
Em pingos de mel e ramos trajados, 
pelo canto das aves emigradas…

E, no meu corpo inquieto…
Aquieto a imensidão das falésias adormecidas
Nos caminhos, em passadeira de sombras choradas e perdidas

E, sonhando acordada vou…
Vazando o meu lago de ventura…
À vida que não sei contestar…
Porque nela, me avalio com abençoada ternura

MelAlmeida

sábado, 12 de janeiro de 2013

NO MEU SONHO




Hoje, que a poesia se faz em nós
Como gaivotas ébrias de melancolia

Aguardamo-nos na impaciência,
Como almas ao vento, queimadas em perfeita demência
E,
 Nos teus sonhos de macho arrojado
Sei-te em falácia incerta, que se acerca em vedações de arame farpado

Hoje, golpeados por gládios aguçados
Onde escorrem sulcos de dor, e nos rasgam as entranhas em brancos marcados
Mas, ainda assim,
Procuro encontrar-te, num pedaço que me vista de consolo
E te cubra como lenitivo, em cais onde embarcámos, 
Sem porto de abrigo.

Hoje, sinto-te nuvem, pairando nos meus lábios frios,
Meu amado, porque os deixaste falecer?

Se para ti nasceram, como um leito que se ajeita ao rio.
 Onde navegavas, sem tempo marcado!

Os meus sonhos, não sabem mais quem são?
Perderam-se no clímax de uma cegueira
Quando sonham acordados contigo, em delírio de paixão!

MelAlmeida

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

POR TI AMOR



Esperarei por ti
Meu amor…

Ainda que os dias se consumam em trevas
E as montanhas se vão desgastando

Nos registos que agasalho
Como banquete em horas que me vão tombando

Esperarei por ti
Meu amor

Até que os ventos me tragam

 De volta a tua voz …

Que me acode…Com tal nitidez
Como águas puras que se escoam sem foz

Esperarei por ti
Meu amor…
E
Quando o instante finalmente, chegar
 O meu corpo será perfumado de rosas
E
Adormecerei no teu peito
 P´ra não mais acordar, 
Em noites que se me consagram sem astros, sem luar.

Esperarei por ti
Meu amor
E
 em taça de champanhe transbordante
Irei celebrar-te…
Ante, a areia que aguarda impassivelmente
O doce beijar do seu mar, Amante.

                                                                                                               MelAlmeida