domingo, 27 de janeiro de 2013

JORNADA



Nas palavras que me cantam sibiladas
Onde te revejo…
Com a sagaz coragem,
Que pernoita
Em fortaleza embriagada nas noites,
Onde repousam as nossas madrugadas.

E
No meu devaneio
Voam-me imagens em carruagem silenciosa
Onde me passeio
E o som,
É uma paisagem acesa,
Que me cerca, sem paragens na incerteza


Mas ao ver-te,
Já não é o tempo que em mim viaja
Sou eu, quem viaja sem tempo…
 Nos braços que me abraçam,
Como carril oleado de desejo,
Onde não existe desalento
Pousando a paisagem…
Em abraços, e num beijo, lento.

MelAlmeida

domingo, 20 de janeiro de 2013

HINO À VIDA




Trago no olhar a claridade de todos os astros…
Na boca, o sorriso das manhãs enfeitiçadas
Onde desenho a pastel oceanos e sereias
 Em gotas de luz ardentes, por mim criadas,
nas areias do meu mar.

No cabelo, solto a escuridão das noites orvalhadas…
Em pingos de mel e ramos trajados, 
pelo canto das aves emigradas…

E, no meu corpo inquieto…
Aquieto a imensidão das falésias adormecidas
Nos caminhos, em passadeira de sombras choradas e perdidas

E, sonhando acordada vou…
Vazando o meu lago de ventura…
À vida que não sei contestar…
Porque nela, me avalio com abençoada ternura

MelAlmeida

sábado, 12 de janeiro de 2013

NO MEU SONHO




Hoje, que a poesia se faz em nós
Como gaivotas ébrias de melancolia

Aguardamo-nos na impaciência,
Como almas ao vento, queimadas em perfeita demência
E,
 Nos teus sonhos de macho arrojado
Sei-te em falácia incerta, que se acerca em vedações de arame farpado

Hoje, golpeados por gládios aguçados
Onde escorrem sulcos de dor, e nos rasgam as entranhas em brancos marcados
Mas, ainda assim,
Procuro encontrar-te, num pedaço que me vista de consolo
E te cubra como lenitivo, em cais onde embarcámos, 
Sem porto de abrigo.

Hoje, sinto-te nuvem, pairando nos meus lábios frios,
Meu amado, porque os deixaste falecer?

Se para ti nasceram, como um leito que se ajeita ao rio.
 Onde navegavas, sem tempo marcado!

Os meus sonhos, não sabem mais quem são?
Perderam-se no clímax de uma cegueira
Quando sonham acordados contigo, em delírio de paixão!

MelAlmeida

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

POR TI AMOR



Esperarei por ti
Meu amor…

Ainda que os dias se consumam em trevas
E as montanhas se vão desgastando

Nos registos que agasalho
Como banquete em horas que me vão tombando

Esperarei por ti
Meu amor

Até que os ventos me tragam

 De volta a tua voz …

Que me acode…Com tal nitidez
Como águas puras que se escoam sem foz

Esperarei por ti
Meu amor…
E
Quando o instante finalmente, chegar
 O meu corpo será perfumado de rosas
E
Adormecerei no teu peito
 P´ra não mais acordar, 
Em noites que se me consagram sem astros, sem luar.

Esperarei por ti
Meu amor
E
 em taça de champanhe transbordante
Irei celebrar-te…
Ante, a areia que aguarda impassivelmente
O doce beijar do seu mar, Amante.

                                                                                                               MelAlmeida