sábado, 14 de maio de 2011

Ordenar

Nesta simples manhã
Onde tudo tem harmonia
Vejo o sol, vejo o mar
Vejo as coisas mais belas
Que se podem ver e sonhar

As borboletas esvoaçam
Num constante vaivém,
As flores abrem-se à vida
Como quem, se é de alguém,

Nesta manhã simples e calma
Dou largas à minha alma
De viver somente ditando
O que os sentidos vão captando

Vejo, ao longe um rio parado
Despido de roupa sem frio…
Vejo a lua que veio espreitar
Se o poeta está cumprindo,
Os encantos e desencantos...
Duma vida alegre a pulsar,

Pela sua hábil destreza,
Nos poemas que se fazem
De alegria ou tristeza,
De saudade ou verdade,
Da sua humilde natureza,

Sinto a vida a correr, como
Sangue, nas minhas veias
Sinto o que quero expressar,
Nesta ávida vontade, onde não cabe
A inerte condição de paragem,

Que me conduz por vaidade
Simples… e natural vaidade,
De dizer, que a saudade…
É prosa no verso, é canto,
No silêncio é grito na gargalhada,

Desordenadas as palavras,
Serão sempre escritas na vontade,
De sentir, escoar… escrevendo,
As frases que se vão fazendo,
Ordenadamente …desordenadas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...