sábado, 1 de outubro de 2011

A PAZ DE UM NENÚFAR


Flutuo… no teu amor…
Como nenúfar no lago…

Pairo em silêncios cantados…
Em noites de aconchego…
Em alvoradas que não descrevo…

Banho-me na frescura dos teus lábios,
No apertado, colorido dos teus braços…
E no teu peito… repousa…O mergulhar do meu cansaço…

Que em mim se dilui, como aguarelas …
Puras… alvas …infinitamente belas…
Como dizer que te amo…meu amor?!…

Se estou mergulhada…em aguas destiladas de fulgor…
As carícias falam…no silêncio…onde te embalo penetrante!
Nasço…e ressurjo…em cada olhar [teu]… Ofegante!...

As palavras… seriam rouquejantes… ruídos…
Não o bastante!…
Para um sentir tão infinitamente… [Sentido]

Sem comentários:

Enviar um comentário

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...