terça-feira, 26 de julho de 2011

Razão


O que faz a razão perder-se…
Se a razão não tem morada,
Onde se encontre perdida,
Onde se ache talhada!…

Que importa senão ter…
Razão … desfocada,
Se nela encontramos tudo,
Ou perdemos o nada!…

Nada é também a forma …
Incompleta que nos conduz,
Ao que tememos e nos torna,
A imperfeita, ofuscada luz!…

Perco-me onde me encontro…
Na razão que me abraça,
Na força que me arrasta,
Encontrar-me no desencontro!...

De mim em minha morada…
Com razão que me leve,
Em alvorada de mim tão breve,
A abençoada caminhada!...

1 comentário:

  1. À medida que exercitamos o nosso dom, ele se aprimora e cresce. Entre todos os dons, acredito que o dom da palavra seja um dos mais especiais...e, esse dominas como ninguém. Continuas a impressionar-me/nos com a tua maravilhosa escrita que nos liberta e faz viajar...
    Simplesmente maravilhoso este poema...Parabéns minha doce amada Mel

    ResponderEliminar