quinta-feira, 9 de junho de 2011

Parei os relógios


Pudera eu parar o tempo!?
Parei naquele dia os relógios que havia
Inocentemente pensando parar o tempo
E, ficar na hora eternamente vivendo…
Parei-os, …e o tempo não parou naquele dia

Quero acompanhar apressadamente o vento
Só ele me poderá levar ao tempo…
Em que parei os relógios a meu parecer
E de novo voltar ao tempo que me fez viver…

Vivo ainda sem tempo nem horas marcadas
Sem sinais de envelhecimento
Sem rugas vincadas!?...
Porque nem o tempo tem espelhos,
Onde me encontre talhada….

Agora… os relógios teimam em igualar…
Cumprem o seu dever de a hora marcar,
O tempo perdido na profícua verdade
De não poder mais alcançar a realidade

Nos relógios que parei no tempo
Inocentemente na vida… ao parar!

2 comentários:

  1. Parei aqui e esqueci o relógio.
    Para te ler.
    Gostei da tua poesia (voltarei, por isso).
    Mel, bom feriado e bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada NIlson, volte sempre! Um abraço Mel

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...