sexta-feira, 24 de junho de 2011

VISÃO


LUZ

Saio para a rua, no meu caminhar
Despreocupada, leve e contente,
Porque adoro caminhar entre gente,
Que sai, para simplesmente vaguear.
Mas, há gente que passa e torce o nariz…
Olho-me nas montras pensando ter,
Algo a descoberto, sem querer.
Continuo-o a minha caminhada
Por vezes em direcção a algo,
Outras vezes em direcção a nada…
Os olhares mantêm-se, quase intímistas
Pergunto-me: “Que raio se passa?”
Terei no nariz algum malabarista?
As crianças sorriem-me, fico feliz!
O sol, parece ter mais brilho então
Caminho…caminho em direcção…
Ao que o meu coração me diz…
Já farta, de tanto caminhar e cansada,
Sento-me, num banco de jardim,
Onde estava uma velhinha curvada,
Sobre si mesma, como quem sofre de dores
E não tem remédios para nada.
Tão sozinha... aquela velhinha…
Parece que não tem morada.
Fiquei, por momentos querendo olha-la
Mas ela esconde o seu rosto de mim.
Julgo, estar a incomoda-la e saio dali
E, eis que a senhora me chama…
Com uma voz que me põe a alma em fogo
Está zangada com a vida penso…
E, a velhinha dita-me um salmo novo!
“Sou Mãe Daquele que te acompanha…
Ao longo das tuas caminhadas…
Sem que desses conta de nada …
Não temas a vida… Ele existe! …
Os que te olham, não te vêem,
É a luz Dele que persiste…
Ao longo dos Tempos e para Sempre!
Sem que deixasse pegadas na calçada,
Que pisas, tão feliz e despreocupada”!



2 comentários:

  1. A presença de luz em nossa vida ajuda em muito o caminhar. Chamemos-lhe Deus ou outra coisa qualquer.

    Gratidão pelas suas palavras nos meus blogs. Será sempre bem vinda. Voltarei também.

    Beijo fraterno
    Mel (de Carvalho)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada Mel Carvalho pelas suas palavras. Caminharemos sempre com duas faces iguais...Mel...e...poesias!
    Um abraço fraterno também para si.

    Mel Almeida

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...