domingo, 11 de setembro de 2011

Soletro-te


Soletro-te….
            Em silêncio…
           Com a serenidade de uma pena …
Pairando leve e pequena…
              Ao sabor do vento…
Embriago-me…
           Em pensamentos…de ternura…
Soletrando com doçura…
                              o [teu] nome...
Incrédula…sonho…
            em marés…calmas e planas
Camas de areia… dunas de teias…
           O céu…como manto…cobrindo…
o teu corpo nu…
Imperfeita visão, dos sonhos…meus
                Que vão pairando em pensamentos [ateus]
Em memórias…amarelecidas no tempo
                         …como medronho…
                               ...Soletro-te…Sonho-te…
 Em águas de prata…
               Imortalizo-te…Amarro fragatas…
               Perdidas, no meu imenso mar…
                                              De ilusões…
Em marés que refrescam… [gratas]
Uma história…de tempo, sem tempo…nem contradições.

2 comentários:

  1. Delicias-nos com a tua magnifica poesia...Cada vez as palavras são mais escassas para fazer justiça aos teus poemas...mas, ainda assim, a ti fluem-te como o sangue nas veias e consegues surpreender-me a cada novo poema...És fabulosa poeta Mel :)
    Mias

    ResponderEliminar
  2. Vaguei pelo blog, numa viagem de serenidade e boa poesia.
    Escolhi este para comentar, talvez porque tenha penetrado mais fundo na minha emoção...quando isso acontece encontramos nectár de poesia.
    Parabéns
    beijos

    Ana Coelho

    ResponderEliminar