quinta-feira, 23 de abril de 2015

Sonhos





 Sonhos
Choro contigo
o suave perfume das rosas
e levo para longe
os espinhos que não vês
e vou gastando no tempo
todo o tempo de uma vez..


E assim voam livres,
todos os livros que folheei
Todas os poemas que bebi
todas as sombras que ocultei


Porque a alma do poeta é vadia
e nela vagueia sem destino
todos os sonhos
no desconforto do seu próprio desatino
como o choro inocente de um menino.


Choro contigo todas as marés
em choros escondido
através dos olhares das gentes
que não sabem chorar o mar
quando o têm consigo e não o sabem amar.


E no tempo incerto na medida não exacta
gasto o silêncio com que ofendo
Todas as horas amorfas e rasas.


E lá longe, lá muito longe
onde os sonhos se dissipam como alvos
oiço do amor outra voz
Numa voz feiticeira em sobressalto
Que tenta apagar do céu a memoria de nós.

Sem comentários:

Enviar um comentário