quarta-feira, 22 de abril de 2015

Falam os poeta.

Falam os poetas
de beijos,
de abraços,
de preces e des(ilusões)
pedidas ao espaço
Falam os poetas
de tudo o que é seu
de tudo o que possuiu
de tudo o que perdeu.
Ao poeta tanta vida lhe é dada
que por vezes ele esquece,
que tem vidas de sobra, em si guardadas
A que inventa
a que vive
a que perde
a que encontra
a que desenhada
a que apaga.
a que chora
a que sorri
Quem consegue viver tantas vidas assim?
e julgar não viver nada.
Ao poeta tudo cabe...
Mas tudo lhe é pouco
Falam os poetas... E digo eu, que de poetas nada sabe!
Poetas...Ai... Poetas... Que sois tão loucos.
Como seria a vida sem esta loucura?
Enfadonha, cinzenta, triste, de uma tristeza medonha
sem remédio, e sem cura?!
Falam os poetas...
Eu apenas os vou lendo e tecendo a minha opinião
que de nada serve, ele têm tudo... Tudo nas mãos.
Mas a mim, não!
Falam os poetas.

Sem comentários:

Enviar um comentário