domingo, 1 de janeiro de 2012

Meu corpo de jardim

No meu corpo,
 nascem rosas
que me enfeitam com soberania

Rosas, que desabrocham
 no meu corpo,
em quietude fantasia.

Colho-as,
em madrugadas,
sem espinhos ou folhas quebradas,

Apenas quando,
me suplicam silenciosas,
amparo e companhia.

São de um aroma majestoso,
 as rosas, que nascem
caprichosas, no meu corpo…

Como borboletas esvoaçando
com requinte…graciosas…
no meu corpo, de jardim.

Sem comentários:

Enviar um comentário