quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Devolve-me à vida.


Dá-me amor, o teu rir
Porque é dele que respiro
Dá-me amor, o teu sentir
Porque é dele, o meu tamanho

Sem o teu estar, eu não estou
Sem o teu caminhar, eu não vou
Dá-me amor, a formula deste viver
Sem tempo que conte, o tempo de sofrer

Tudo em ti, me é valioso
O teu ombro amigo,
O teu chorar carinhoso
És lapa onde me abrigo,
Nesta paisagem de folhas secas
Sem ti, não há verde...
Não há esperança que me valha
Nesta vida negra, canalha,
Onde nem a água, me mata a sede

Dá-me amor, o teu sangue quente
Que beberei, ao acordar docemente
Em goles, de abraços pelo abraçar
Vem, é imperativamente urgente!
Estes braços, que pendem do meu corpo,
Morrem em cada instante, pelo teu aninhar
Vem!
Dá-me a vida que levaste, abraçada ao teu olhar.

1 comentário:

  1. Belíssimo! Simplesmente perfeito! Adorei!
    E muito obrigado pelos comentários em meu blog, fiquei muito feliz!

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...