quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Não, não digas adeus.



Não, não digas adeus
Ainda que acenes com a alma em delírio
Pára.
Detém-te
Onde os rios se misturam em alucinação
Em margens revoltas e ofendidas

Não, não digas adeus
Essa palavra é espada que atravessa todos os horizontes
Onde se rasgam os Céus e, se dilaceram feridas
Chora onde secam as rosas
E mora onde a palavra é entendida

Não, não digas adeus
Canta aos deuses a divina graça dos Sóis
Sorri de pranto, de encanto, mas sorri
E, ao atravessares a porta do teu sangue
Permite-te vencer como vencem os heróis
Em colossal medida!

Mas, não digas adeus….Aos teus medos e aos meus.
Não, não digas adeus… A tanta vida com vida.


Sem comentários:

Enviar um comentário

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...