quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Orgulho

O orgulhoso,
Não tem laços de amizade,
Caminha de mãos dadas, na sua condição
Não dá abraços de verdade...
Porque nele não cabe, a sua ostentação,

O orgulho,
Não tens pai… nem idade...
É enteado da santa ignorância…
Por onde se arrasta, exala a fragrância,
Da sua enorme… imbecilidade…

Ainda, que no seu orgulho
Viva, sorrindo em falsa altivez
Vai tombando… inconsciente,
Na sua própria, embriagues…

No orgulho que o adoece,
E lhe corrói, o corpo de rancor,
No ser orgulhoso que É…
Vives decerto, sem amor.

Não trata a palavra, por tu…
Tratando-a, apenas por você…
Oh, orgulhoso como tu és cego…
E, só a ti próprio, te Vês!

Sem comentários:

Enviar um comentário

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...