sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Abraço de mel e sal


Em silêncio te abraço
E abarco o desejo,
Em meus braços…
Nas noites em que transito…
Em sonhos…
Contidos em silenciosos gritos…
Que abato, em memorias a transmutar,
Onde não consigo imaginar…
O devolver…O ficar…
Procuro-te em mim… Me aninho…
Em casca… Como passarinho…
Onde o querer anoitece…
Frio e lento...
E a manhã desfalece,
Como nascente de um rio, sedento de mar…
Mistura divina de doce e sal…
Em suplicas… Me envolvo…
E amotino o meu sofrer…
Na infinita vontade de poder…
Ser ainda…
A envolvente causa…
Da minha infindável…Vontade de te viver!

1 comentário:

  1. Parabéns Mel. Mais um fantástico poema. Que nunca esgote a criatividade que presumo lhe vem da alma.

    ResponderEliminar