quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sopro Salgado

Um beijo em sopro salgado
D´ ontem…
De hoje…
De agora…
Beijo que guardo como sagrado
Na boca,
Que beijo em memória…
Memória, de Sol…
Sal… Mel…e Açafrão…
Em,
Madrugadas amarradas, em cordão
De abraços…
Laçados em imagens de cancela …
E
Catedrais imensas... de sonhos e caravelas
Nas orações que vou desfiando…
E
Esbarro na noite enevoada,chorando...
Em
Sonhos e pesadelo…em agonias toldadas
Nas horas que flutuo…fantasiada...
De bailarina, em pontas quebradas,
Na solitária caverna, que monte e desmonte
A esperança que adormece…pela aurora que aponte
O beijo, sem sopro...sem sal …nem maresia...
Em sólida realidade, toldada…de Alegria.

Sem comentários:

Enviar um comentário

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...