terça-feira, 12 de maio de 2015

Amor- (im)perfeito


São intermináveis as horas em que te aguardo
E a Primavera já me virou a face
E é agora um perfil reverso
Onde procuro as cores multifacetadas
Da sua existência
Na ânsia do que não vejo.
Não tarda acordo com o Verão nos meus braços.
E temo meu amor
Que as manhãs me adormeçam prostradas
No silêncio das ruas em ardência
E me devolva em cinzas os sonhos que criei no meu peito.
Como uma mãe extremosa que a seu jeito
Protege os filhos dos acúleos das rosas.

Sem comentários:

Enviar um comentário