sábado, 27 de agosto de 2011

Arte no coração



Sinto um martelo,
Dentro do peito...
Esculpindo…
Uma peça de arte,
Só eu, no meu canto
Imperfeito…
Consigo saber porque bate!
Este martelo, que bate…
Bate…
Lentamente…fingindo...
Fingindo…
Que está esculpindo…
A sua peça de arte!...
Bate, num bater… Inconsequente…
Esquecendo que sou gente...
Que me arrasta, e põe de parte…
Pára martelo!…
Pára de bater!…
Assim, não vou sobreviver…
A tão fortes marteladas…
O amor dói…naturalmente,
Eu sei!
Mas por vezes magoa a gente!
Na urgência, em se aninhar…
Ao coração,
De quem esculpe em nós,
A arte de amar!

3 comentários:

  1. Olá tudo de bom ...

    Muitos parabéns e que esta data se repita por muito anos .

    Seu amigo
    Ernesto Castanha
    ernestocastanha.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Belissimo este teu poema Mel, é um prazer ler-te...
    Feliz aniversário e boa semana :-)
    Um Abraço

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigada, Ernesto,e Antero.
    pelos comentários ao poema! E pelos Parabéns, ao meu aniversário!
    Um abraço

    Mel Almeida

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...