domingo, 20 de maio de 2012

MORRI



Na irrefragável força que nos envolveu,
como barcos atracados ao cais,
em abraços e beijos, de luar vivo.

Remoinhos imersos de verdade,
onde, desvendámos palavras acríticas,
que em nossos olhos arquivámos,
 na esperança, de uma reiteração viva.

queimámos os corpos, em desejos irrecusáveis
 em sorrisos abraçados,
 mas, inacabados no hálito do amanhecer.


Numa boca de paixão que ardeu,
em águas estagnadas de silêncio,
na distância tão curta, e tão longa
no abismo,
de um “Adeus”

Morri, na embriaguez dos sentidos
...entre...
duas bocas que se tocam por prazer.

Que  [ Preciso!]


Morri?
Não, não exigia, ter morrido!
Para renascer em renovadas frases de prata,
que à chuva do meu olhar, têm escurecido!

1 comentário:

  1. Passei por aqui minha querida,como sempre fico presa ás tuas palavras...näo morres-te,renasces-te,beijinhos com carinho,adoro ler-te!

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...