terça-feira, 29 de maio de 2012

Sombras Reescritas.


Reescreve-me em beijos,
em abraços…Em sorrisos
desenha-me em folhas de prata
borrifadas nas águas do desassossego
em instantes perfeitos,
 feitos, no instante de um silêncio.


Partilha-me na tua pele, arranca de mim o sentir
aquele que de longe ecoa ainda, nos nossos sentidos


Clama-me…O quanto me desejas
em palavras, em escritos,
em bocas que ardem sufocadas
no vasto campo dos tempos perdidos

Ou então,
sonha-me oxidada…
Na oficina abandonada de um velho artesão.


4 comentários:

  1. "Ou então,
    sonha-me oxidada…
    Na oficina abandonada de um velho artesão."

    Todo o poema é magnífico, mas o final é deslumbrante.
    Adorei as tuas palavras.
    Excelente poema.

    Mel, querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Muito belo poema! Seu estilo é uma criativa releitura do romantismo. E é interessante que sempre podemos entrever na poesia os traços do surrealismo, que parece estar sempre presente em tudo.

    ResponderEliminar
  4. Gostei deste poema em especial por causa das imagens que ele evoca. Ótima.

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...