segunda-feira, 21 de maio de 2012

Tão tarde...!



É tarde,
Que nem me lembro de mim
Nas tardes,
Em que como um livro, ao vento…
Se me folheiam
As páginas, num frenesim

É tarde sim.
Mas, apesar do tardio,
O livro que leio, são folhas,
Folhas, que não sei encerrar
Por ser tarde, fecho os olhos
E nele me arrebato a sonhar.

Por ser tarde,
As noites, chegam fugazes
E os dias tardios vão vazando
Como rio no seu leito
Nas tardes, em que sinto frio,
Por já ser tarde demais no meu peito.
Tão tarde…!

1 comentário:

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...