sábado, 26 de maio de 2012

Sempre!


Saberei sempre, distinguir-te em cada vírgula,
Em cada [a] que não se esgota
Nas palavras que, como corda vacilante
Te fazem estremecer a carne, solta de ti

Saberei sempre…Quem és!

Minha fonte viva, onde brotam acácias em pedras soltas
Que ardendo de desejo,
Tentas controlar como barco, em maré de despejo

Abnegas o que mais desejas,
E colocas-te em posição de queda,
 Nas alucinantes lembranças, que te investem de mim.

Agora, não sou mais eu, quem em ti se passeia
És tu, quem me prescreve.

Eu,
Parti noutros braços, em viagem sem retorno
Na busca dos teus…
Encontrei-os com os olhos bem cerrados
Encontrei-os…Por fim, ao abri-los sem receio.

1 comentário:

  1. O poema é sublime.
    Andas a escrever tão bem.
    Beijos, querida amiga Mel.

    ResponderEliminar