quinta-feira, 15 de março de 2012

No Meu Sono

Hoje, invadiste o meu sono
Com tamanha expressividade
Aconchegaste-te ao umbral
Da minha quietude, chamada verdade

Hoje, que os versos me estão descalços
Piso o meu chão sem transtorno…
No alongar de um silêncio, quase incauto
Que perfilho… Mas, que abandono…


Hoje, vesti-me de mim por vontade
De me encontrar com a entidade
Que me nasce, num bem-querer

Num desapego total de malignidade
Como a dor de um embrião a nascer
Onde, a alma chora…liberdade.

Sem comentários:

Enviar um comentário