sábado, 24 de março de 2012

Não te penso!


Não,
Não te penso…
Pensar-te
É…
Perder a noção do real,
No tempo
Em que a pensar-te
És ténue ilusão…Fatal
Não,
Não te penso…
Invento-te…
No instante…Em que o pensar voa,
Nas asas de um falcão…
E, ao inventar-te…
Encontro-me no atalho
Que vive ante a lucidez…E a ilusão.

Sem comentários:

Enviar um comentário