domingo, 8 de julho de 2012

Inexistente


Longe de ti
Não, não sou ninguém,
Sou sombra desfocada,
... Inexistente…

Sou um pedaço de nada
Em corpo de gente…

Sou quem vive silenciada
…. Imortalizando…
As palavras que me soam
 Constantes
E me fazem tingir os dias
Em tons falsamente brilhantes.

Perto de ti
A escuridão é abraço
As nossas bocas são rosas
Que desfolhamos em prosas
Silabadas de amor
Em chão de estrelas
Que matizamos de violetas
No nimbo de duas almas poetas.

Melalmeida


6 comentários:

  1. Bonito expressar livremente os sentimentos... Visite meu blog http://pedroldcv@wordpress.com chamado Randomatizes e siga se gostar!

    ResponderEliminar
  2. Longe ou perto, quando duas almas se atraem elas beijam-se sempre, mesmo em silêncio.
    Gostei muito do teu poema, magnífico.
    Mel, minha querida amiga, desejo-te um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Mel Almeida boa tarde

    Permite-me saborear das tuas letras

    Caminho nelas como uma estrada por entre as árvores

    Anita

    ResponderEliminar
  4. Estás longe, na verdade. Há quanto tempo não publicas...
    Espero que esteja tudo bem contigo.
    Beijo, querida amiga Mel.

    ResponderEliminar
  5. Perdoa-me a invasão poeta, mas temos amigos blogueiros comuns. Seu blog. é belíssimo e, as suas poesias lindas e sensuais. Já sou seu seguidor. Meus parabéns!
    Beijos de luz !!!

    Poeta Cigano - 14/10/2012

    http://carlosrimolo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Muito suave e lindo. Gostei muito. Abraços

    ResponderEliminar

E Por Vezes

E por vezes por vezes… Sou tão escassa que temo não me bastar E por vezes... por vezes mergulho no meu azul infinito e sing...